• INSTITUCIONAL

  • EXAMES

  • PUBLICAÇÕES

  • PROFISSIONAIS

  • CONTATO

Dra. Camila Resende Fiorot

Dra. Camila Resende Fiorot

Eletroneuromiografia &
Monitoração Intraoperatória

CRM-ES: 7477
RQE: 5660 e 5661

Dr. José Antonio Fiorot Júnior

Dr. José Antonio Fiorot Júnior

Neurologia Geral &
Neurologia Vascular

CRM-ES: 7165
RQE: 5305

Dra. Vanessa L. de O. Marim

Dra. Vanessa L. de O. Marim

Neurologia Geral &
Especializada em Cefaleias

CRM-ES: 6685
RQE: 5685



Doença de Parkinson: como identificar?

Publicado em 14/03/2014

A doença de Parkinson ou mal de Parkinson, descrita pela primeira vez por James Parkinson em 1817, é caracterizada por uma doença progressiva do movimento devido à disfunção dos neurônios secretores de dopamina nos gânglios da base, que controlam e ajustam a transmissão dos comandos conscientes vindos do córtex cerebral para os músculos do corpo humano. Não somente os neurônios dopaminérgicos estão envolvidos, mas outras estruturas produtoras de serotonina, noradrenalina e acetilcolina estão envolvidos na gênese da doença. O nome "Parkinson" apenas foi sugerido para nomear a doença pelo grande neurologista francês Jean-Martin Charcot, como homenagem a James Parkinson.

A doença de Parkinson é idiopática, ou seja é uma doença primária de causa obscura. Há degeneração e morte celular dos neurónios produtores de dopamina. É portanto uma doença degenerativa do sistema nervoso central, com início geralmente após os 50 anos de idade. É uma das doenças neurológicas mais freqüentes visto que sua prevalência situa-se entre 80 e 160 casos por cem mil habitantes, acometendo, aproximadamente, 1% dos indivíduos acima de 65 anos de idade.

A Doença de Parkinson é caracterizada clinicamente pela combinação de três sinais clássicos: tremor de repouso, bradicinesia e rigidez. Além disso, o paciente pode apresentar também: acinesia, micrografia, expressões como máscara, instabilidade postural, alterações na marcha e postura encurvada para a frente. O sintoma mais importante a ser observado é a bradicinesia.

Os sintomas normalmente começam nas extremidades superiores e são normalmente unilaterais devido à assimetria da degeneração inicial no cérebro.

A clínica é dominada pelos tremores musculares. Estes iniciam-se geralmente em uma mão, depois na perna do mesmo lado e depois nos outros membros. Tende a ser mais forte em membros em descanso, como ao segurar objetos, e durante períodos estressantes e é menos notável em movimentos mais amplos. Há na maioria dos casos mas nem sempre outros sintomas como rigidez dos músculos, lentidão de movimentos, e instabilidade postural (dificuldade em manter-se em pé). Há dificuldade em iniciar e parar a marcha e as mudanças de direção são custosas com numerosos pequenos passos.

O doente apresenta uma expressão fechada tipo máscara sem demonstar emoção, e uma voz monotônica, devido ao deficiente controle sobre os músculos da face e laringe. A sua escrita tende a ter em pequeno tamanho (micrografia). Outros sintomas incluem deterioração da fluência da fala (gagueira), depressão e ansiedade, dificuldades de aprendizagem, insônias, perda do sentido do olfato.

O diagnóstico é feito pela clínica e testes musculares e de reflexos. Normalmente não há alterações nas Tomografia computadorizada cerebral, eletroencefalograma ou na composição do líquido cefalorraquidiano. Técnicas da medicina nuclear como SPECTs e PETs podem ser úteis para avaliar o metabolismo dos neurónios dos núcleos basais.

O Tratamento:

O Tratamento da Doença de Parkinson engloba o tratamento farmacologico, a base de levodopaterapia e tratamento não farmacológico, que evolve fisioterapia motora, fonoaudiologia entre outros.

Os médicos do Centro Integrado de Neurologia (Dr. Fiorot e Dra Vanessa) estão preparados e capacitados para ajudar no dianóstico precoce e correto desta enfermidade, possibilitando início rápido no tratamento, aumentando a qualidade de vida dos pacientes com Doença de Parkinson.



Compartilhe:

 




Visualizações: 495

Entre em contato